sexta-feira,
19 de julho de 2024

Telefonia móvel deixa consumidores sem comunicação

Clientes reclamam de problemas nas chamadas de voz e nos serviços de dados.

A telefonia móvel em algumas cidades das regiões Serrana e Sul do Estado está deixando os consumidores decepcionados. Clientes que usam o celular no dia a dia reclamam de problemas que afetam tanto a qualidade das chamadas de voz, quanto os demais serviços, como envio de mensagens de texto e internet 3G. Não bastassem esses problemas, existe dor de cabeça até para fazer reclamações junto à operadora. Procurar órgãos de defesa do consumidor pode ser a melhor forma para ter os direitos atendidos.

Mais ao Sul do Estado, em Castelo, os celulares também têm ficado mudos. A jornalista Katherine Coaioto (25) conta que ligar para os amigos se tornou tarefa difícil na cidade. “Dificilmente alguém consegue falar comigo pelo celular. A situação está assim desde janeiro. Eu estava no litoral na época e pensei que o problema acontecia por causa do excesso de pessoas que vão para a praia, mas, quando voltei para Castelo, percebi que a situação continuou”, conta Katherine.

Por causa do número de queixas, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou na segunda-feira (10) o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC). Entre outras melhorias, o regulamento vai facilitar a vida de quem quer entrar em contato com as prestadoras do serviço para reclamar. Hoje, ligar para fazer uma reclamação é tarefa que exige paciência.

É o que diz o cientista social Gustavo Fassarella (32), que mora em Cachoeiro de Itapemirim. “Aqui todos os dias temos problemas com a telefonia celular e chega a ser desconfortante reclamar. Fico 40 minutos ao telefone para ser atendido. É horrível”, desabafa Gustavo. Com a nova regra estabelecida no RGC, que começa a valer até julho, o atendimento pelo telefone sofrerá alteração. O tempo máximo para falar com um atendente será de um minuto, contado a partir do momento em que o consumidor escolher essa opção ou ser transferido entre atendentes.

A promotora de Justiça de Venda Nova, Adriana Ristori, orienta os consumidores a procurarem os órgãos de defesa do consumidor e a própria Anatel, que fiscaliza as empresas de telecomunicações. “Se a população se unir e atuar em conjunto, a própria Anatel pode agir e cobrar soluções das operadoras”, diz Ristori. Ela também lembra a importância de buscar o Procon. “Se os consumidores procurarem o órgão, ele poderá acionar o Ministério Público. Assim, a Justiça terá elementos suficientes para instaurar inquérito e exigir os direitos conforme a lei”.

A operadora Vivo, que presta serviços de telefonia móvel aos consumidores ouvidos nesta reportagem, informou, por meio de nota, que técnicos foram deslocados para as cidades citadas para verificar os problemas relatados.

O texto diz o seguinte:

“A Telefônica Vivo informa que clientes da empresa em Venda Nova do Imigrante, no Estado do Espírito Santo, podem estar encontrando dificuldades na utilização nos serviços de voz e banda larga, devido a problemas sistêmicos em sua rede.Assim que o problema foi detectado, a companhia mobilizou equipes técnicas para normalizar a situação no menor prazo possível. A Telefônica Vivo voltará a prestar esclarecimentos tão logo haja informações sobre o restabelecimento dos serviços.”

Informação:Valdinei Guimarães/radiofmz.

 
Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *