terça-feira,
20 de fevereiro de 2024

Produtos da Região Serrana na mira de certificação internacional

Notícia Capixaba/Léo Júnior.

O Espírito Santo poderá ser conhecido internacionalmente como a terra do inhame, do socol e da carne de sol. Os três produtos tipicamente capixabas estão com procedimentos abertos no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) para conquista do Certificado de Indicação Geográfica, que identifica internacionalmente a região de origem do produto.

Está é a mesma certificação conquistada em 2012 pelo cacau produzido no município de Linhares, sendo até então o único produto da agropecuária do Espírito Santo e o único cacau do território nacional a possuir tal reconhecimento.

“O objetivo é fazer com que as pessoas e o mundo reconheçam nossos produtos e saibam a origem deles. Esse reconhecimento é muito importante para o nosso Estado, pois vamos conquistando os consumidores pela qualidade oferecida. E não queremos ficar apenas no Espírito Santo, vamos continuar levando o agroturismo capixaba para todo o Brasil e o mundo. O agroturismo e as atividades não agrícolas são importantes geradoras de renda e emprego nas áreas rurais de nosso Estado”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli.

Os três produtos contam com novas marcas específicas para destacar a produção capixaba no mercado. A novidade foi apresentada no grupo de trabalho formado pelas Secretarias de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) e do Turismo (Setur), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Instituto de Inovação e Tecnologias Sustentáveis (Inovates) e Associações dos Produtores.

O município de Venda Nova do Imigrante se destaca pela produção do socol. O produto é um aperitivo feito com lombo de porco, sal, pimenta e alho. Antigamente era produzido na Itália e com o passar dos anos, a produção esquecida no Brasil foi resgatada pelas mãos de algumas famílias descendentes de italianos nas montanhas capixabas.

Cacilda Caliman, ou “Tia Cacilda” como é conhecida, é de uma família tradicional de Venda Nova do Imigrante e conta que a produção do socol mudou a vida de da família. “Começamos a produzir o socol e consegui tirar meu filho do cabo da inchada. Tiramos nosso sustendo da venda do produto”, comenta.

Além do socol, o inhame e a carne de sol também estão com “raízes” no Espírito Santo. O “Inhame de São Bento” é a espécie cultivada, principalmente na região de São Bento de Urânia, em Alfredo Chaves. Durante o plantio do tubérculo, o uso de insumos é menor do que as outras espécies. “Com essa nova marca, vamos fazer com que os consumidores reconheçam nosso produto no mercado, não só aqui no Espírito Santo, mas no Brasil e até no mundo”, ressalta o produtor Jandir Gratieri.

Já a carne de sol é um produto típico dos municípios de Montanha, Pinheiros, Ponto Belo e Mucurici, no extremo Norte do Estado. Os terrenos planos, sem morros, característicos da região evitam que o gado faça muito esforço, desenvolvendo músculos. O preparo da carne leva apenas sal e, diferentemente da cultura popular, depois é levada para curtir fora da exposição ao sol.

 
Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *