sexta-feira,
12 de abril de 2024

Vereador de Alfredo Chaves perde mandato por improbidade administrativa

Na Sessão Ordinária realizada no início deste mês, o presidente João Bosco Costa, no uso de suas atribuições legais, declarou extinto o mandato do então vereador Narcizo de Abreu Grassi, após decisão oriunda do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo (TRE-ES), que tornou nulo o diploma expedido ao vereador relativamente ao pleito eleitoral de 2012. A extinção do mandato foi baseada no acórdão nº 165, exarado no Recurso Eleitoral nº 82-47.2012.6.08.0012, por ato de improbidade administrativa.

As irregularidades apontadas são relativas às contas quando o pré-candidato esteve à frente do Legislativo Municipal no ano de 2002 e incidem, de acordo com a Lei, na sua inelegibilidade. O presidente da Casa de Leis foi comunicado por meio do Ofício nº 269 da decisão do TRE-ES, publicada também no Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal. O ofício solicitou à presidência que fossem tomadas as providências necessárias ao efetivo cumprimento do acórdão nº 165.

Durante a Sessão Ordinária, o presidente João Bosco Costa esclareceu que, com a declaração da nulidade do diploma pelo TRE-ES, até ulterior decisão, competia-lhe apenas acatar e cumprir a decisão da Justiça e comunicá-la de maneira oficial, sendo dispensada a deliberação do Plenário. No comunicado, o presidente determinou que fosse remetida cópia da decisão e declaração de extinção do mandato do vereador Narcizo de Abreu Grassi ao TRE-ES, ao Juiz Eleitoral da 12º Zona Eleitoral do Espírito Santo, à Promotora de Justiça da Comarca de Alfredo Chaves e ao Prefeito Municipal de Alfredo Chaves.

Também em Sessão Plenária, o presidente João Bosco Costa salientou que, com a vacância do cargo, aguarda deliberação do Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo para convocar o suplente e formalizar a posse do seu suplente legal. Isso porque o referido Tribunal ainda não se manifestou acerca da validade dos votos recebidos pelo vereador em questão, o que poderá interferir na computação dos votos e na relação de suplência.

Após o comunicado proferido pela presidência, o vereador de oposição Paulo Munaldi pediu a palavra e solicitou ao presidente a leitura de documento sobre o referido processo pela assistência de Plenário. O vereador Serafino Antônio Simoni, pedindo uma parte à presidência, interpôs que, para ser lido, o documento precisava ter sido protocolado na Secretaria da Casa no prazo de até 48 horas anteriores à Sessão e que a leitura infringiria o Regimento Interno da Câmara.

A Assessoria Jurídica da Casa de Leis informou que a decisão ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e que o vereador já recorreu ao órgão máximo da Justiça Eleitoral.

Com informação da Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Alfredo Chaves.

 
Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.
Array

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *