sexta-feira,
14 de junho de 2024

Ex-presidente da Câmara de Venda Nova é absolvido em ação de improbidade

Nerter Samora/Século Diário.

O juiz da comarca de Venda Nova do Imigrante (região serrana do Estado), Valeriano Cezário Bolzan, julgou improcedente uma ação de improbidade contra o ex-presidente da Câmara de Vereadores do município, Valdir Dias, acusado do pagamento de despesas pessoais com verbas públicas. Na sentença publicada nesta sexta-feira (5), o togado descartou a ocorrência de dolo (culpa) do ex-agente político na contratação de uma assessoria jurídica para defendê-lo em processos no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Na denúncia inicial (0014611-89.2012.8.08.0049), o Ministério Público Estadual (MPES) se baseou na revelação de irregularidades durante a prestação de contas do TCE, que revelou a contratação da empresa Asteplan para a realização de uma consultoria jurídica, pelo valor de R$ 4,8 mil no ano de 2005. A promotoria sustentou que o ex-vereador teria se valido da posição da presidente da Casa para auferir vantagem pessoal no pagamento de consultoria para a suposta defesa de seus interesses pessoais.

Durante a instrução do processo, o ex-presidente da Câmara de Venda Nova alegou que houve um erro na confecção do contrato, fato que teria permitido a interpretação de que o objeto do acordo seria a defesa de Valdir em processos judiciais. Segundo o réu, a empresa teria sido contratada, na verdade, para a realização de consultoria em processos de pagamento e contratos entre 2001 e 2004. Já o Ministério Público defendia a condenação de Valdir Reis às sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa, como a suspensão dos direitos políticos e o ressarcimento do eventual prejuízo ao erário.

Entretanto, o juiz Valeriano Bolzan considerou que “as provas documentais produzidas pelo autor não foram suficientes para comprovar que o réu teria agido com dolo”. O magistrado considerou ainda que uma parte da denúncia já estaria prescrita, ou seja, quando o Estado perde a capacidade de punir os responsáveis por supostos atos ímprobos. Ele justificou que o ex-vereador deixou o cargo no final de 2006, mas a denúncia só foi protocolada no final de 2012 – ultrapassado o prazo de cinco anos para o ajuizamento do caso previsto na legislação.

“Conclui-se que compete ao Ministério Público, autor da ação de improbidade, não só alegar o fato que ensejou ao ajuizamento da denúncia como comprovar a sua ocorrência […] O dolo, por ser elemento subjetivo, não se demonstra com documentos e não há nos autos nenhuma outra prova que leve a crer que o réu praticou o ato ilícito de contratação de particulares com dinheiro público para defesa de interesses pessoais seus com o fim específico de lesar o patrimônio público. Posto isso, pronuncio a prescrição das pretensões sancionatórias e julgo improcedente a pretensão de condenação do réu em ressarcir prejuízos causados ao erário”, narra um dos trechos de decisão que ainda cabe recurso.

 
Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *