terça-feira,
23 de julho de 2024

‘Isso não procede”, diz Evair de Melo, sobre sua cassação do registro da candidatura

Melo do PV foi acusado de fazer campanha em sala de aula. Ele nega. Diz que é ex-aluno e faz parte do conselho da escola.

A Procuradoria Regional Eleitoral no Espírito Santo (PRE/ES) vai pedir a cassação do registro da candidatura e do diploma do deputado federal eleito Evair Vieira de Melo. Ele foi o nono eleito para as dez vagas da Câmara Federal, com 48 mil votos.

Melo foi acusado de conduta vedada a agente público ao realizar campanha eleitoral dentro de sala de aula no Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), no campus de Alegre. Além dele, também é alvo da representação o professor Carlos Fernando Feletti, que consentiu com a prática na sala de aula. O deputado nega.

“Isso não procede, estou sabendo da acusação pela imprensa, vou aguardar a notificação para me manifestar. Estou tranquilo. Minha relação com a escola é antiga. Sou ex-aluno, faço parte do conselho da escola e qualquer candidato pode ser acusado da mesma coisa pois todos que foram a Alegre passaram pela rodovia que corta escola”, afirmou.

Evair foi acusado pelo PRE de infringir a Lei das Eleições, que veda a utilização de imóveis de propriedade da União para fins de campanha eleitoral. Por conta disso, a PRE/ES pediu a cassação do seu registro e do diploma, além do pagamento de multa que varia entre R$ 5.320,50 e R$ 106.410,00.

Segundo o procurador eleitoral auxiliar Carlos Vinicius Cabeleira, “a potencialidade lesiva do ilícito eleitoral praticado está demonstrada não somente por o candidato ter sido eleito com votação expressiva, sem nunca ter ocupado cargo eletivo antes, como também por a potencialidade lesiva deste tipo de conduta já ter sido tratada em jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”.

Com informação da Agencia Congresso.

 
Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *