sexta-feira,
14 de junho de 2024

Comunidades de Carolina e São Roque de Maravilha celebraram padroeira do Estado em montanha de Alfredo Chaves

Nesta segunda (13), cerca de 300 pessoas subiram a pé um morro entre as comunidades de Carolina e São Roque de Maravilha, no interior de Alfredo Chaves para homenagear Nossa Senhora da Penha. A tradição é repetida há décadas todos os anos por centenas de fiéis da região, que não medem esforços para chegar a capelinha erguida há 100 anos no alto de uma montanha e que fica a cerca de 850 metros de altitude.

A igrejinha recebeu o apelido carinhoso dos fiéis de ‘Conventinho da Penha’, pois foi construída em homenagem à padroeira do Estado. O local também virou ponto turístico, apesar de só realizar uma celebração por ano, a capela é aberta diariamente para visitações.

O padre Josemar Stein foi quem presidiu a missa. “É um lugar lindo e abençoado”, disse antes de iniciar a celebração.

Devido ao feriado na Grande Vitória, diversos turistas que estavam hospedados nas pousadas da região, estenderam a diária para participar do evento. Outros costumam vir de suas cidades somente para repetir a tradição. É o caso do aposentado José Caus, 65, que mora em João Neiva, no Norte do Estado. Ele participa da peregrinação todos os anos. “Nasci aqui na comunidade e fui morar em outras cidades, mas nunca deixei de lado minhas raízes. É uma tradição herdada da minha família, aproveito ainda para rever os amigos”, disse.

Já o senhor Nercílio Braz Marotto, 49, morador de Marechal Floriano e proprietário de um sítio em São Roque de Maravilha, disse que há dez anos ininterrupto frequenta o evento. “É uma maneira de agradecer e retornar à região onde nasci. Aproveito para trazer minha família e amigos”, conta.

Construção da primeira capela

De acordo com o agricultor e proprietário da pousada Vale das Cachoeiras, Cinésio Pin, 50 anos, a capela foi edificada no começo do século passado por seu bisavô, Egistro Pinon, que veio da Itália e se hospedou na região com ajuda de moradores locais. “A primeira igrejinha era de pau-a-pique e depois de quarenta anos foi derrubada e construída outra de alvenaria que está erguida até hoje. O local começou ser bastante frequentado por moradores e turistas da região e ganhou o apelido de Conventinho da Penha”, conta.

Segundo Pin, o motivo exato da construção não se sabe, mas a família acredita que foi para professar a fé do patriarca da família e abençoar a região. No dia da festa, após a missa, todos almoçam aqui na pousada. “É uma dia de festa, que as comunidades da região param para respeitar a santa e se confraternizarem”, disse.

Para chegar ao popular ‘Conventinho da Penha’ há dois caminhos, por Carolina, pela pousadas Vale das Cachoeiras e pela comunidade de São Roque de Maravilha, de onde também se avista a capela. São cerca de 30 minutos de caminhadas em um percurso íngreme. Ao chegar ao pé da capela, o visitante deve subir 80 degraus e pode contemplar os vales e montanhas da região.

No local, este ano, foram construídos pelos moradores, banheiros com sistema de captação de água da chuva.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *