quarta-feira,
29 de maio de 2024

Pesquisa do Incaper na Região Serrana pretende melhorar qualidade da alface e reduzir uso de agrotóxicos na cultura

Melhorar a qualidade da alface na região serrana do Espírito Santo, de maneira a reduzir a incidência de pragas e doenças, é o principal objetivo do projeto de pesquisa do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). Por meio desse projeto, pretende-se reduzir o uso de agrotóxicos na cultura.

O projeto, intitulado “Influência de diferentes sistemas de cultivo sobre a produção de alface de qualidade ao longo de todo o ano na região serrana do Espírito Santo”, foi aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes) e é coordenado pelo pesquisador do Incaper em Fitotecnia e Manejo de Olerícolas, Luiz Fernando Favarato.

“O objetivo do projeto consiste em avaliar a influência de diferentes sistemas de cultivo de alface, em épocas distintas, sobre o desempenho produtivo e sobre a incidência de pragas e doenças, possibilitando a produção de alface de qualidade ao longo de todo o ano na região serrana do Espírito Santo”, explicou o pesquisador.

Ele disse que entre os principais resultados esperados desse projeto, além da definição de um sistema de cultivo de alface que garanta a produção eficiente e com qualidade ao longo de todo o ano, é a redução da aplicação de agrotóxicos na cultura e agregação de conhecimento para a adoção de boas práticas agrícolas nessa cultura.

“Pretendemos reduzir os impactos ambientais e sobre o ser humano com a melhoria do ambiente de cultivo para a cultura, e desfavorável para a proliferação de doenças. Também pretendemos melhorar as práticas de produção, com a melhoria da eficiência do uso da água. Queremos contribuir para que o agricultor ofereça para o consumidor um alimento de elevado padrão de qualidade e seguro, ampliando seu consumo”, disse Luiz Fernando. O pesquisador também afirmou que o projeto pretende agregar valor ao produto com a garantia de segurança do alimento dentro dos padrões estabelecidos pelas normas nacionais.

A capacitação de técnicos e agricultores envolvidos diretamente na cadeia produtiva da cultura da alface está prevista no projeto. “Os resultados obtidos também serão disponibilizados para a comunidade científica e sociedade em geral, por meio de apresentação de resumos expandidos, artigos científicos e meios de comunicação”, destacou Favarato.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.
Array

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *