sexta-feira,
19 de julho de 2024

Mais de mil pessoas permanecem fora de casa devido à chuva em Vargem Alta, e sobe para 7 o número de mortes no Sul

Foto: Rael das Neves/portal NC

 

Redação

 

O número de mortes em decorrência das fortes chuvas que atingiram municípios do sul do Espírito Santo subiu. Agora, de acordo com o Corpo de Bombeiros, já são sete pessoas mortas nos municípios de Iconha e Alfredo Chaves.

 

A confirmação da sétima morte foi encaminhada no final da manhã desta terça-feira (21), pela Secretaria de Segurança Pública (Sesp), que informou que ainda não há informações detalhadas sobre a ocorrência, apenas que o corpo foi encontrado no município de Iconha.

 

De acordo com a Defesa Civil estadual, 2204 pessoas permanecem desalojadas, sendo que mais de mil, em Vargem Alta, e 78 continuam desabrigadas. Os municípios mais afetados são Alfredo Chaves e Vargem Alta.

 

Na manhã desta terça, a situação na cidade de Iconha permanece grave. Diversas casas às margens do rio Iconha foram destruídas e nas principais vias da cidade ainda há bastante lama, inclusive dentro dos estabelecimentos comerciais.

 

O trabalho do Corpo de Bombeiros continua em toda região. Segundo o tenente-coronel, Carlos Wagner, representante do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil Estadual, devido ao mau tempo, algumas regiões ainda apresentam risco.

 

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) reconheceu estado de calamidade pública nas cidades de Alfredo Chaves, Iconha, Rio Novo do Sul e Vargem Alta por conta das fortes chuvas. A decisão foi divulgada neste nesta terça-feira (21) e será publicada na edição desta quarta-feira (22) do Diário Oficial da União.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *