domingo,
14 de julho de 2024

Polícia prende um dos pistoleiros suspeitos de ameaçar vereador de Brejetuba

Foto: PCES

 

A equipe da Delegacia de Polícia (DP) de Brejetuba prendeu, nesta quinta-feira (25), um homem de 42 anos investigado por envolvimento na extorsão, mediante sequestro de um vereador da cidade. O detido já tinha mandado de prisão em aberto por outro crime.

 

O sequestro ocorreu no dia 17 de fevereiro. O delegado Claudio Rodrigues Araujo, que estava de férias, retornou ao trabalho e iniciou as diligências, com o objetivo de identificar e prender os envolvidos. O veículo utilizado no crime foi localizado e apreendido, com o apoio da Polícia Militar (PMES), que tem auxiliado nas diligências desde o início. O carro foi encontrado em uma oficina mecânica, na localidade de Córrego Grande, na zona rural de Brejetuba.

 

“Levantamos imagens, bem como a localização do carro usado no crime. Nas diligências, constatamos que um dos envolvidos já tinha mandado de prisão preventiva em aberto pelo crime de receptação, de modo que iniciamos buscas para dar cumprimento a este mandado e mantê-lo preso, enquanto damos prosseguimento às investigações sobre o sequestro”, afirmou o delegado.

 

Ao saber que a polícia estava à sua procura, o suspeito se apresentou na delegacia, acompanhado de um advogado. No entanto, ele desconhecia a existência do mandado de prisão em seu desfavor. A ordem judicial foi cumprida e o investigado será encaminhado ao sistema prisional.

 

Segundo o delegado, o suspeito preferiu manter o silêncio durante a coleta do depoimento. “A Policia Civil segue trabalhando incansavelmente. Estamos diligenciando em diversas frentes, coletando depoimentos e investigando informações que nos levem a outros envolvidos neste crime”, declarou Claudio Rodrigues.

 

Entenda o caso 

 

Antônio da Saúde contou à polícia que foi sequestrado na última quarta-feira (17), no município. O caso teria ocorrido enquanto ele se dirigia à Câmara para uma reunião. Ele teria sido levado por dois homens para uma região rural e, sob ameaças, teria sido obrigado a assinar um documento renunciando ao cargo de vereador. Depois, foi deixado em Viana.

 

"Foi uma grande tortura psicológica, ele estava com arma apontada pra cabeça o tempo todo. Ainda tiveram a audácia de mandar ele ligar pra Câmara e confirmar que enviaria alguém para entregar o documento no local comunicando a renúncia", informou fonte que não quis se identificar. 

 

Os vereadores que aguardavam Antônio da Saúde na Câmara desconfiaram da situação e pediram ajuda ao deputado estadual Hudson Leal (Republicanos), que é amigo do vereador. O deputado fez contato com a Promotoria de Justiça que atende a região e a orientação foi para que Antônio procurasse a polícia para registrar um boletim de ocorrência, o que foi feito na última sexta-feira (19).

 

Abalado, o vereador não quis conversar com a reportagem. Na última terça-feira (23) ele esteve, junto com Hudson, na Secretaria de Estado da Segurança Pública e conversou com o secretário Alexandre Ramalho. "Conversamos sobre o sequestro relâmpago e tortura sofridos pelo vereador há alguns dias. Agradeço a atenção do secretário, que prontamente atendeu as nossas solicitações", disse Hudson.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *