sexta-feira,
12 de julho de 2024

Novas tecnologias para agricultores familiares produzirem cafés especiais e sustentáveis vêm alcançando destaque na Região Serrana

Redação

Com apoio de um projeto do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), agricultores familiares da região das Montanhas do Espírito Santo estão produzindo cafés especiais e sustentáveis, que vêm alcançando ótimas pontuações conforme o protocolo internacional da Specialty Coffee Association (SCA).

Os excelentes resultados são frutos da execução do projeto “Avaliação Econômica e Socioambiental das Tecnologias Recomendadas para Produção de Cafés Especiais no Espírito Santo”, contemplado pelo Banco de Projetos da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), com um investimento de aproximadamente R$ 490 mil repassados pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes).

O projeto é constituído por 15 unidades de processamento via úmida e secagem de baixo custo adaptadas à agricultura familiar, que foram implantadas em propriedades nos municípios de Venda Nova do Imigrante, Conceição do Castelo, Brejetuba, Afonso Cláudio e Marechal Floriano.

Para proporcionar uma maior diversidade de perfis sensoriais, as unidades foram instaladas em diversas altitudes, faces de exposição do solo, condições edafoclimáticas, entre outras características que influenciam na qualidade do café. Todas foram devidamente licenciadas.

As unidades de referências disponibilizadas são compostas por lavador moega de alvenaria, descascador/separador de café, caixa de fermentação e sistema de recirculação de água. Processam de 5 a 30 sacos de café por hora. Também foram cedidos aos agricultores pequenos terreiros suspensos com cobertura plástica para secagem dos grãos.

Os trabalhos de implantação foram conduzidos por meio da atuação integrada de pesquisadores e extensionistas do Incaper que atuam na área da cafeicultura na região das Montanhas do Espírito Santo. As tecnologias empregadas na iniciativa foram adaptadas à agricultura familiar pelo extensionista Fabiano Tristão Alixandre e pelo pesquisador Rogério Carvalho Guarçoni.

Funcionários das Secretarias de Agricultura e de Meio Ambiente das cidades envolvidas também colaboraram com a execução do projeto.

Qualidade e sustentabilidade atestadas

Durante a execução do projeto, têm sido realizadas análises sensórias dos cafés produzidos nas unidades. Os resultados demonstram que os produtores vêm produzindo cafés especiais com pontuação variando de 82,5 a 90 pontos, de acordo com o protocolo internacional da Specialty Coffee Association (SCA).

Além disso, dois agricultores participantes do projeto foram finalistas do Coffee Of The Year (COY) 2023, concurso nacional de qualidade de café. Essas conquistas estão ajudando os cafeicultores a agregarem valor aos seus produtos, de acordo com o coordenador do Projeto, pesquisador Rogério Carvalho Guarçoni.

Os ganhos no âmbito do desenvolvimento sustentável também são monitorados. “Estamos acompanhando a evolução dos indicadores de sustentabilidade, por meio do Sistema para Avaliação de Indicadores de Sustentabilidade da Cafeicultura do Espírito Santo, uma vez que o projeto tem como finalidade a produção de cafés especiais e sustentáveis”, destaca Guarçoni.

Produtores satisfeitos

Os produtores assistidos pelo projeto estão satisfeitos com as unidades, com a assistência técnica recebida e com os resultados obtidos até agora.

“O Incaper tem me dado todo o suporte, desde a assistência técnica, na orientação como cuidar da lavoura, também na colheita, e ainda mais agora, com a unidade de descascamento de café. É a equipe do Incaper que prova o meu café, que me orienta como cuidar do café no terreiro, como participar de concursos e todo o processo para que, no final da colheita, a gente tenha um preço melhor, um valor agregado no nosso café”, relata Miguel Quaioto, da localidade de Bela Aurora, em Venda Nova do Imigrante.

“Está sendo excelente para nós, ajudando demais. O descascador funciona muito bem, deu um café muito bonito e está nos atendendo bem na quantidade que produzimos”, avalia Adelson José de Oliveira, produtor da localidade de Serra do Boi, em Afonso Cláudio.  

Difusão e transferência de tecnologias para outros agricultores

Desde a fase de implantação, as unidades de referências do projeto são utilizadas para a realização de métodos coletivos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), visando à difusão e transferência de tecnologias para a produção de cafés especiais para os cafeicultores da região do café arábica do Espírito Santo. Já foram realizados cursos, palestras, dias de campo e visitas técnicas.

“Esta ação vai contribuir de forma expressiva para aumentar o número de agricultores inseridos na produção de cafés especiais e com isso ampliar o volume de cafés especiais produzidos de forma sustentável no Estado”, destaca o extensionista e coordenador de Cafeicultura do Incaper, Fabiano Tristão.

Produtores interessados em conhecer as unidades podem entrar em contato com os extensionistas dos escritórios locais do Incaper nos cinco municípios contemplados pelo projeto para agendar visitas. Os contatos e endereços podem ser conferidos no site incaper.es.gov.br/agenda-de-contatos.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *