quarta-feira,
29 de maio de 2024

Até na morte tem esquema criminoso. Veja vídeo: Crime de peculato praticado por servidora e dono de funerária é descoberto no ES

“De acordo com a investigação, a servidora faturou mais de R$ 12 mil devido à prática criminosa”.

Redação

A Polícia Civil do Espírito Santo (PCES), por meio da Delegacia Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Linhares, elucidou o crime de peculato praticado por uma servidora pública da Prefeitura de Linhares. Veja vídeo abaixo.

De acordo com a investigação, a servidora pública do município, de 46 anos, e o dono de uma funerária, de 33 anos, planejaram e executaram o crime. Desde outubro do ano passado, a servidora fornecia quinze urnas funerárias ao dono da funerária pelo valor de R$ 2.500,00, sem que a administração municipal soubesse.

Além disso, a servidora manipulava a quilometragem percorrida pelo homem, de forma a aumentar o valor que a prefeitura pagava mensalmente para a empresa. Ao todo, foi apurado pela polícia que a servidora, ao fornecer as urnas funerárias e manipular a quilometragem percorrida, faturou a quantia de R$ 12.600,00 desde o início da prática criminosa.

“A servidora foi descoberta graças à ação da prefeitura, que instalou câmeras escondidas no galpão onde ficavam depositadas as urnas e flagrou o momento que várias delas era retiradas do local e levadas para o caminhão da funerária”, explicou o titular da Delegacia Especializada de Investigações Criminais de Linhares, delegado Fabrício Lucindo.

Após a descoberta, a Polícia Civil foi acionada pela prefeitura e deu andamento nas investigações. Ao serem interrogados na delegacia, os dois confessaram os crimes. Eles serão indiciados pelo crime de peculato, com pena que varia entre dois a 12 anos de prisão, se condenados. Eles respondem ao crime em liberdade.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.
Array

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *