sexta-feira,
12 de julho de 2024

Maylson Littig, pré-candidato à prefeitura de Marechal Floriano, concede entrevista ao portal Notícia Capixaba, após entrar na disputa

Por Eduardo Antunes

Com o lançamento da pré-candidatura de Maylson Littig (PDT) à prefeitura de Marechal Floriano, o portal Notícia Capixaba retoma a série de entrevistas com os pré-candidatos na cidade serrana capixaba.

A entrevista, realizada pelo jornalista Eduardo Antunes, trata de diversos assuntos referentes à política local e planos do vereador, se chegar a assumir a prefeitura. Confira a seguir:

– Notícia Capixaba: Vereador Maylson Littig, pré-candidato pelo PDT, em Marechal Floriano, se apresente ao leitor do portal Notícia Capixaba:

– Maylson Littig: Sou Maylson Littig, morador de Boa Esperança, onde nasci e fui criado. Sou de família tradicional, de agricultores, com descendência alemã. Minha vida sempre foi voltada para o interior. Tenho um filho, chamado Emanuel, de oito anos de idade, e minha esposa, Simone, que sempre me acompanhou nesse trabalho.

Mesmo antes de estar no meio político sempre procurei ajudar as pessoas, no máximo que eu alcançava. É algo que vem de mim mesmo, e chegamos a refletir porque não entrar na vida pública para poder alcançar mais formas de ajudar a essas pessoas, que chegam até a gente, em busca de resolver alguma demanda. É uma coisa que vem de mim, então pensei porque não tentar uma vida pública para poder ajudar a população com mais facilidade, ajudar aos anseios da população.

Assim, me candidatei em 2016, cheguei a ser suplente e assumi, infelizmente, com o falecimento de um primo, David Klippel, em 2018. Em 2020 assumi a cadeira sendo o segundo mais votado. Tive 689 votos, foi com muito trabalho. O povo reconheceu tudo o que eu fiz por Marechal Floriano. Para mim, foi uma vitória muito bem disputada, porque é muito difícil, no meio de noventa candidatos, você se eleger numa eleição tão difícil.

– Já que a gente tocou na parte política, como você está vendo a receptividade, após ter colocado seu nome como pré-candidato? 

– Foi uma surpresa, pois até pouco tempo atrás, havia a convicção de que eu viria disputar para vereador e surgiu também a oportunidade de ser vice, mas, no meio político, acontecem muitas coisas até o final. Então, surgiu agora essa outra oportunidade, eu conversei com uma pessoa, e agora nós vamos vir para a pré-candidatura a prefeito de Marechal, que já era um sonho, e eu creio que dá para ajudar muito mais, porque não é questão só de política, Marechal é uma cidade que eu nasci, fui criado, tenho minha família inteira, e eu gosto de Marechal de coração. Então, tudo que eu puder fazer para melhorar Marechal, eu vou fazer para a população.

– O nascimento e a consolidação de sua pré-candidatura, derivam da articulação política com a advogada do Sindicato dos Servidores Públicos, Gelcilene Loiola, que já foi candidata na eleição passada e encarou com você essa batalha. Fale um pouco sobre onde ela colabora em sua pré-candidatura, no trato político e também na orientação de sua pré-campanha, já que ela é advogada. 

– Então, a doutora Gelcilene, além de ser uma excelente advogada, é uma pessoa que me chamou a atenção pelo trabalho que desenvolve, sempre defendendo o servidor público, que não têm suas demandas atendidas pelo poder público.

Gelcilene é uma pessoa maravilhosa, batalhadora, e como estou envolvido no setor da agricultura, ela está preparadíssima para ouvir os anseios da cidade. Seria um jogo duplo, do interior com a cidade, junto. Ela é uma pessoa fácil de conversar, a gente pretende sempre estar andando junto, caminhando junto, sem vaidade de cadeira, quem é o prefeito e quem seja o vice. É uma coisa simples, que é tudo para melhorar o atendimento para a população florianense.

– Maylson, numa possível gestão sua, o que o senhor pensa como política pública que atenda às demandas antigas dos servidores do município?

– Em minha visão é importante valorizar, capacitar o servidor público, pois temos que tratar, diferenciar quem realmente quer trabalhar aqui em Marechal, dos que já estão acostumados com a política velha. De acordo com sua produção, um salário digno, com respeito, para esse servidor poder trabalhar com dignidade.

E o sindicato, estando junto, já tem totalmente as demandas, já sabe que realmente os servidores públicos precisam, de forma melhor, atender os munícipes de Marechal. vamos estar sempre ouvindo as deliberações das Assembleias do sindicato.

– O senhor mora na zona rural do município, qual a visão do senhor sobre o município deve atender o morador do campo, o agricultor que precisa das estradas, do transporte escolar, aquela pessoa que vive lá no fim da linha? 

– Essa é uma área que para mim é a mais fácil de se falar, porque eu também sou agricultor, já fui caminhoneiro, e o povo da roça não quer muita coisa. O que eles mais anseiam é uma estrada boa. Então, temos que fazer políticas públicas através de buscar com o governo-estado, a aplicação do Revsol, que é um material que funciona muito bem em outros municípios, deveria ser aplicado, nas estradas, aqui também.

São essas estradas que vão até as estufas, lavouras. Estrada de roça, como é falado. Usando caixas secas, mas o principal mesmo seria a aplicação de Revsol nos trechos mais difíceis, para o escoamento agrícola acontecer da melhor forma possível. 

O município precisa trazer qualificação para os agricultores, tem vários programas do governo de qualificação, e para o agricultor aprender a escoar a produção e também usar esses produtos agrícolas aqui nas propriedades mesmo, nas escolas daqui.

E também temos várias empresas de potencial aqui em Marechal Floriano que a gente percebe que fica meio que abandonado, empresas como a Oi Frango, Grupo Venturini, família Schwantz, que produzem frango, que temos um abatedouro de frango aqui na nossa região. Temos café de qualidade na nossa região. Então, eu vou ficar bastante voltado para essa região. Essas regiões onde é a agricultura que movimenta a nossa cidade.

– Em Soído de Baixo tem uma grande indústria frigorífica. A estrutura da região, às vezes não abarca todas as demandas do morador que vai morar lá perto, há necessidade de creche, unidade saúde para o trabalhador. Qual a sua visão sobre o que o município precisa fazer?

– Prioridade número um, primeiramente seria a conservação das estradas, tanto vicinais, como as estradas estaduais, com convênio com o Governo do Estado. E automaticamente isso melhoraria o turismo do nosso município. Creches, com certeza, pois as mamães, hoje em dia, como está diversificado, mães e pais trabalham no mesmo nível.

Colocar creche nessas localidades onde realmente necessitam, melhorando a qualidade de vida e podendo melhorar nosso município em todas as áreas. Marechal também tem um grande potencial para o turismo, o turismo rural, inclusive, que está crescendo muito aqui em Marechal Floriano. Precisamos fazer de tudo para buscar parcerias e atender ao máximo possível essa região para que a cidade ande bem junto com o campo.

Saúde também é um trabalho que não pode faltar. A questão de saúde do trabalhador, eu sou totalmente a favor de continuar nessas visitas de médicos nas unidades de saúde, que sejam mais vezes, não só, às vezes, uma vez por semana, mais vezes por semana. Temos uma deficiência que os médicos não estão indo nos lugares onde tem pessoas acamadas. O médico deveria ir sim, até a casa dessas pessoas, para dar um atendimento especial para os usuários. 

– Me fale o que o senhor pensa sobre o meio ambiente e território legalizado?

– Sobre meio ambiente, a gente tem essa ideia e pensa o porquê de não fazer a regularização fundiária? Porque são várias propriedades que se encontram em situação irregular. Se o município fizer essa regularização, além da pessoa ter documentação do terreno, vai ter que contribuir também. A prefeitura oferece caminhão de lixo, esse pessoal não contribui para o município de Marechal, então, é necessário fazer essa regularização, lutar para que aconteça e também desburocratizar e questões de licenças, para pessoa conseguir mais rápido, porque estimula a pessoa andar de forma correta e não fazer alguns tipos de coisas sem licença ambiental. É preciso desburocratizar e dar andamento mais rápido para as pessoas poderem fazer, tanto as casas e também empreendimento futuros, para o município.

– E sua visão sobre como o município tem que trabalhar o turismo?

Tem muitos sitiantes comprando propriedades aqui e temos pousadas famosas aqui, no nosso município. É preciso encontrar uma forma melhor de divulgação e os acessos precisam estar bem caprichados, junto a agricultura, o turismo nos mostra um futuro promissor.

– Sobre a saúde, vereador, é preciso mudar alguma coisa?

– A questão da saúde é uma coisa muito polêmica, que tem que ser vista com muito carinho. A gente está procurando buscar uma solução mais técnica. Se disputar as eleições e chegar à gestão, é preciso escolher uma pessoa como secretário que seja uma pessoa realmente técnica, que trate bem a população e também ouça os anseios dos funcionários públicos, ouvir as reclamações dos servidores, tratar eles com respeito, tenho certeza que automaticamente eles também vão tratar a população bem.

Também há coisas que devem mudar. Em hemodiálise, que tem os carros que descem, mas só voltam à tarde. É preciso buscar uma forma de ser exclusivo para as pessoas que estão com enfermidades mais avançadas. Nosso plano de governo é fazer o máximo possível, realizar exames e consultas de especialidades, aqui em Marechal Floriano mesmo, para não precisar buscar outros municípios vizinhos ou a Grande Vitória.

Temos que ficar muito de olho sobre os remédios. Tem muitos remédios que são básicos para população e, geralmente, eles ficam em falta, então temos que ficar muito em cima para que isso não aconteça e buscar equipamentos novos, talvez até um equipamento de radiografia para Marechal Floriano, se for possível e vamos continuar fazendo o máximo possível com essas parcerias para melhorar a saúde do nosso município.

– Me fale sobre a sua atuação como vereador, em sua comunidade, suas bases, o atendimento que você dá e algumas coisas que você já conseguiu para Marechal. Sabemos que você é conhecido por ser um cara batalhador, que está sempre em Vitória buscando benefícios para a sua comunidade.

– Tenho uma relação boa com o Governo do Estado, sempre tive, com alguns deputados federais e estaduais. Assim, nosso mandato conseguiu bastante recurso para o município de Marechal Floriano, são muitos calçamentos rurais nas comunidades, como no Trevo de Paraju, Soído, Costa Pereira. Para vários lugares, consegui calçamento rural, consegui também uma ambulância através de emendas de deputados, uma escavadeira hidráulica, um caminhão de coletor de lixo e uma picape estrada.

São várias coisas que eu consegui para o município, através dessa boa relação com o Governo do Estado e eu pretendo manter essa relação porque o Estado tem muito a oferecer a Marechal Floriano, tem vários lugares ainda que merecem sim um calçamento digno, um asfalto.

Então, vou continuar, com certeza, batalhando, agir sem ter perca de tempo, procurar sim o governo, parcerias com todas as esferas para dar um atendimento melhor ao município de Marechal Floriano. Em Soído de baixo foi feito aproximadamente dois quilômetros de calçamento, numa rodovia. Foram feitos mais cinco quilômetros de calçamento, na igreja Missouri, lá em Soído. Também houve o recapeamento da rodovia João Batista Klein.

Houve parceria com os outros vereadores para muitas dessas obras, junto ao Estado. Sou um vereador que não tem vaidade, conseguimos várias pontes rurais que compartilhamos com outros vereadores, calçamentos rurais também. Em Costa Pereira foram feitos aproximadamente, dois quilômetros. Creio que juntos, a gente tem mais força para buscar esses benefícios.

Então, é uma vitória muito grande, a gente conseguir mudar a realidade de várias pessoas. O trevo de Paraju é um pioneiro porque eu acho que ficou bastante claro que aquela população necessitava muito daquele calçamento que era poeira e lama quando chovia. Hoje tem um calçamento muito bem feito e tem empresas já investindo naquela localidade.

Na comunidade vai ter uma creche também e já está sendo construído um posto de saúde. Então, vamos continuar andando para continuar construindo o máximo possível, tornar Marechal um canteiro de obras.

– A sua relação com o prefeito João Carlos Lorenzoni, tanto nos dois mandatos, que você está atuando, e ele como prefeito, e agora na pré-campanha? 

– Eu sou um vereador, que falam que sou um pouco diferente, porque sou da base, eu era da base de governo do PSB junto com o prefeito, mas eu elogio quando tem que elogiar e também quando tem que reclamar, eu reclamo.

Então para mim não tem lado A, nem lado B, eu gosto que as coisas aconteçam certas, que sejam certas, porque é um dinheiro público, o prefeito só tem que administrar, é um dinheiro de imposto que o pessoal trabalha, todo mundo paga seus impostos, então o que é certo é certo, o que é errado é errado.

Marechal tem um grande potencial porque é cortado por uma BR (rodovia federal), eu penso muito que deve fazer convênios, para trazer empresas para Marechal Floriano, convênio com indústrias. Agora, através do prefeito da Serra, que é uma pessoa que eu tenho um relacionamento bom, e eu preciso das ideias dele para trazer, igual ele fez com Serra, conseguiu modificar aquele município, precisamos trazer para Marechal também.

– Maylson, sabemos que você é uma pessoa religiosa, pai de família. Qual sua visão em relação a esses valores?

– É uma questão que eu sempre acreditei, que não importa a religião, eu acredito em um Deus vivo que é Jesus Cristo, mas eu acredito também no potencial das igrejas, tem que ser muito bem valorizadas. Se não fossem as igrejas, o que seria de nós?

No momento mais difícil em que a pessoa passa na vida, ela procura a igreja, que está lá para instruir e ensinar sobre o que é certo e o que é errado para nossas crianças, nossos filhos. Então eu quero sim, estar sempre caminhando junto, independente da região, todas as religiões, porque eu tenho certeza de que eles também têm interesse no bem-estar, no bem comum de todos.

– O senhor teve um problema um pouco grave de saúde, esteve internado durante um período…

– Sim, eu tive um probleminha de saúde.

– A fé te ajudou a recuperar, você se apegou mais a família e a Deus?

– Eu tive um problema de saúde e quando não tinha mais jeito, fui visitado pelas igrejas, várias igrejas, religiões, e me apeguei somente em Deus e ele me deu essa segunda chance e falo assim: Segunda, terceira e quarta. Porque Deus protege a gente todas as vezes, mas ele me deu essa chance de recomeçar e viver uma vida. Tive muito doente, passei vários apertos e estou muito bem, agora, graças a Deus e aos que ficaram comigo, se comprometeram e compreenderam a situação.

– Agora eu sou uma pessoa mais feliz, estou junto para trabalhar, para ajudar várias pessoas, me doar muito também, pois eu fui ao fundo do poço e agora sou uma pessoa com uma visão diferente do futuro e esse bem que eu recebi e desejo para todos os munícipes de Marechal que é incondicional, que o Senhor Deus tem para nós.

– A campanha vai ser a mais disputada da história e talvez, surjam ataques, aquela campanha de nível baixo. Qual a mensagem que você tem para passar, tanto para população, quanto para os pré-candidatos?

– Não pretendo atacar diretamente nenhum candidato, eu acho que todos nós temos falhas, temos defeitos, mas eu acho que todos devemos apontar nossas qualidades, sem discriminar candidato A, ou B. Acredito muito no diferencial essa questão de ajudar o campo e cidade, não precisamos combater ninguém. Acho que a população em si, está mais qualificada e percebe quem, realmente, quer o bem do município, ou quem está aí só para comprar votos, ou fazer esse tipo de coisa. O povo está bem atento à situação que quem realmente quer mudança para Marechal Floriano com o potencial que tem essa cidade.

– Aparentemente, sua pré-campanha, com a Gelcilene, não terá candidatos para vereador. Vocês já fizeram o cálculo, de quanto vão ter que andar a mais, subir os morros e irem a lugares de difícil acesso para chegar à população e passar essa mensagem?

– Eu tenho boa relação com todos os vereadores com mandato e, também, com vários pré-candidatos que temos amizade fora da política. Não fico preocupado com isso, com certeza, vamos ter que andar muito mais. Conheço bem nosso município, todas as áreas, do campo e da cidade. Às vezes, como Vereador, você não consegue dar assistência ao município inteiro, mas tem certeza que, com uma equipe boa e técnica, na agricultura, na área do meio ambiente, da saúde e na área urbana, a gente vai conseguir atingir o objetivo para melhorar a qualidade de vida desse povo.

– Antes de encerrar, fale um pouco sobre temas que ainda não abordamos, por favor:

Segurança

– Tenho uma ideia, sobre a possibilidade de montar uma equipe de inteligência, em convênio com a Polícia Militar, na instalação de câmeras e também nas propriedades rurais. A patrulha rural já funciona muito bem, mas seria uma equipe para dar assistência para essas pessoas, vizinhos avisando vizinhos, quando vem carro estranho nas propriedades rurais, como hoje tem um grande fluxo de pessoas estranhas, que vem trabalhar de fora, é muita gente e não se sabe quem é, e então a gente poderia fazer um cadastro para melhorar esse atendimento para dar mais qualidade de vida e segurança aos agricultores e a cidade.

Professores

– Enfatizar que nós temos que dar muito valor aos nossos professores, porque é deles que sai o futuro dos nossos filhos, um bom ensino. Temos que lutar para o pagamento do piso nacional, que é um direito dos professores, que tem direito, mas não está sendo pago. Nós vamos lutar para conseguir fazer o pagamento, pois é uma lei, é direito deles, para continuarem trabalhando, mais animados e continuar esse trabalho de educação dos nossos filhos com alegria.

Atendimento psicossocial

– Temos tanto em municípios vizinhos, quanto em Marechal, um alto índice de depressão, várias pessoas com depressão, uma doença que leva até ao suicídio, muitos casos de alcoolismo, então, temos que ter sim, uma política pública para ajudar esse pessoal que tá precisando de ajuda porque a depressão é uma doença silenciosa e ela realmente leva a morte. É uma doença muito triste as pessoas têm e, às vezes, nem sabe, então vamos ficar em cima disso, para dar um atendimento para esse pessoal que tanto necessita.

Assistência Social

– Se a gente chegar na disputa e ganhar essa empreitada, eu pretendo ser um prefeito que vai querer participar de tudo o que acontece, fiscalizar todos os secretários e estar junto nas escolas, nos postos de saúde. Tenho bastante disposição para isso e é uma área que eu gosto de ouvir, não ficar dentro do gabinete preso, eu quero estar junto na rua, nas obras e em todas as áreas da prefeitura, também interagir muito com a população humilde. 

Eu fico muito triste em saber que esse povo só é reconhecido em época de eleição. Temos que fazer política pública sim, para reconhecer que eles são cidadãos de bem, que pagam os impostos, trabalham, gente ordeira e trabalhadora. Então não é só na eleição que a gente deve procurar essa população.

A maioria das famílias recebe um salário mínimo e tem que pagar aluguel, tem que pagar água e luz, praticamente não sobra para uma criança para comprar material escolar, para dar uns mimos para as crianças, para eles poderem conviver com a sociedade. Eu vivo essa realidade, estou no meio desse povo, não fico dentro de escritório. Quero estar no meio deles, para ver, realmente, o que eles estão precisando.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *