sábado,
22 de junho de 2024

Região Serrana tem dois jovens políticos buscando ser prefeitos

Por Eduardo Antunes

Quando ouvimos falar sobre a necessidade de renovação na política, fazemos o seguinte questionamento: Como renovar, se sempre são os mesmos atores na disputa, com chances de tornarem suas candidaturas viáveis? Na Região Serrana do Estado, a surpresa é a pré-candidatura de dois jovens, com certa experiência na bagagem e destaque no cenário político local.

Em Alfredo Chaves, o advogado Hugo Meneghel (PP), tem 25 anos e está exercendo seu primeiro mandato de vereador. Sempre na defesa enfática de seus ideais, em algumas votações, o parlamentar consulta à comunidade e a mobiliza para gerar pressão social sobre o Legislativo, com o objetivo de tornar mais justa e democrática a apreciação de projetos que interferem na vida da população alfredense.

Ainda aos 26 anos, Felipe Delpuppo (MDB) está no segundo mandato de vereador por Marechal Floriano, sendo eleito como o mais jovem do país, aos 17 anos, em 2016. Sua reeleição novamente surpreendeu muita raposa política, ao se tornar o vereador mais votado da história do município, com 794 votos. Sua atuação se destaca em diversas frentes, entre elas, a ajuda financeira a estudantes universitários, indicações atendidas para a realização de obras, na sede e interior e por viajar sem utilizar passagens, nem diárias da Câmara.

A exemplo de João Campos (PSB), eleito aos 27 anos prefeito de Recife (PE), os dois jovens entram na disputa como parlamentares e se utilizam de suas habilidades de comunicação, nas redes sociais, para engajar seu público e mostrar o trabalho que desempenham em seus mandatos.

Meneghel reside na sede de Alfredo Chaves, é filho de professora e de um assessor parlamentar, com raízes na comunidade de Ibitirui. Delpuppo é da sede de Marechal e sua família possui comércio e tem forte ligação com o futebol amador da região.

Coincidência, ou não, os dois vereadores não têm maioria de apoio de seus colegas de Câmara, o que parece ser um problema, pode mostrar a dificuldade de os políticos tradicionais e os chamados “atores da velha política” não aceitarem a entrada de novas ideias e maneiras de tratar a política com a comunidade. Este fator pode ser somado à ideia de renovação na política nas duas pré-candidaturas.

Segundo a pesquisa realizada sob o número de registro no Tribunal Regional Eleitoral 09808/2024, e realizada entre 15 e 16 de abril, pelo Instituto Solução, em parceria com o portal Aqui Notícias, Hugo Meneghel lidera com grande margem de vantagem. Em Marechal Floriano, ainda não houve pesquisas oficiais, porém levantamentos internos de diferentes campanhas, colocam o nome do vereador como um dos favoritos da corrida, tendo pequena margem sobre seu principal oponente.

Os dois parlamentares, das cidades vizinhas acumulam coincidências. Além de não terem a simpatia dos velhos políticos de suas cidades, tem grande entrada com a comunidade e a juventude. Ainda conseguem permear os dois campos ideológicos, ao se posicionarem ao centro. Após as convenções partidárias, que serão realizadas entre 20 de julho e 05 de agosto, terão seus nomes oficializados, junto a suas chapas de vereadores.

Compartilhe

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

2 respostas

  1. A renovação é necessária,idéia ls novas, vontade de por em práticas as suas tranquilo que a população necessita..Bola pra frente.

  2. As mudanças na velha política podem trazer vários benefícios, especialmente para os jovens, como
    aumentar a participação cívica e o engajamento político;
    a garantir que as vozes das gerações mais novas sejam ouvidas e consideradas nas decisões que afetam o futuro;
    apoiar causas progressistas, como a sustentabilidade ambiental. Isso pode levar a políticas mais inclusivas e justas
    A entrada de jovens na política pode ajudar a romper com práticas antiquadas e corruptas, promovendo maior transparência, ética e responsabilidade;
    podem estimular um maior interesse pela educação cívica e política nas escolas e universidades, formando cidadãos mais conscientes e críticos.
    Esses benefícios não apenas ajudam a renovar o sistema político, mas também asseguram que as políticas públicas sejam mais alinhadas com as necessidades e aspirações das gerações futuras.
    Contudo, sempre será necessário ter em mente que essa participação deve ser orientada e apoiada por um administrador público experiente, pois o impacto pode ser ainda mais significativo.
    Encorajar e apoiar jovens na política com essa orientação, não só enriquece a arena política, mas também fortalece a democracia ao garantir que uma ampla gama de vozes seja ouvida e considerada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *